OS CÃES DE RIGA

Como não me considero crítico literário, nem crítico de cinema, e muito menos crítico de arte prefiro fixar-me apenas na recensão das coisas que vão saindo no mundo editorial, classificadas como “não ficção”.

Devo dizer que esta classificação, “Não Ficção” existe apenas nos escaparates das livrarias anglo-saxónicas.

Em Hong Kong, em Singapura e Bancoque, por exemplo há sempre uma secção destacada, dedicada a livros de não ficção e é por aí que me perco.

No que diz respeito ás livrarias portuguesas o assunto é mais complicado.

Por exemplo na FNAC há uma secção intitulada literatura traduzida, que eu não sei o que seja embora de cada vez que vá a Portugal de férias não deixe de dedicar pelo menos duas ou três horas a essa epítome do escaparate do livro.

A FNAC é também a epítome do disco, mas por agora falo de livros.

Bom, apesar disso continuo sem saber bem o que quer dizer literatura traduzida.

Mas enfim tudo isto para dizer que hoje chamo a sua atenção não para a não ficção, mas para a ficção.

E a ficção que hoje me trás é este livro

É um policial, mas um policial quanto a mim particularmente interessante.

Provavelmente não pela trama em si, mas pela situação, ou seja, passa-se num país que era desconhecido de toda a gente, ou quase até ter sido integrado na União Europeia.

Banhada pelas águas geladas do mar Báltico, a Letónia tem litoral pantanoso, com dunas de areia e importantes portos pesqueiros.

Riga é a maior capital das repúblicas bálticas.

No bairro histórico de Riga misturam-se edificações medievais e prédios art nouveau, declaradas património da humanidade.

As florestas cobrem quase metade do território.

Ex-república da União Soviética, a Letónia conquista a independência em 1991.

Como herança do domínio soviético, os russos constituem mais de 30% da população.

E agora, a simples remoção da estátua de um soldado do Exército Vermelho da ex-união soviética no centro da capital, quase gera uma guerra civil.

IMAGENS DE TELEJORNAL

Que país é este de que tudo se sabe, mas poucos parecem saber ao certo o que se lá passa?

O detective sueco Kurt Walander depois de ser chamado a descobrir dois homens assassinados a navegar à deriva nas costas da Suécia num bote, decide atravessar o Báltico para tentar desvendar os segredos de Riga e a dramática mudança que afecta os estados bálticos.

E é entre prédios art noveux e pântanos e florestas e Letões, que são descendentes de suecos e também russos que são os tais 30% da população, que o detective se move, sem saber bem por onde,  e essencialmente sem retirar conclusões.

Vale a pena ler este livro de 270 páginas, que não tem nada a ver com Macau, ou com a China, ou mesmo com a Ásia, mas que tem a ver seguramente com os dias de hoje.

Lê-se de um fôlego, num fim-de-semana na Tailândia, ou nas Filipinas, ou mesmo na Praia de Cheok Van.

Se não o encontrar na Livraria Portuguesa mande vir.

Custa 190 Patacas.

O Título é estes:

Os cães de Riga, o autor é Henning Mankell.

É da editorial Presença.

Leio policiais desde a minha adolescência e também livros de ficção científica.

Creio que são dois géneros que todos nós cultivamos, para preencher as horas vagas, embora nestas matérias hoje em dia existam o VCD e DVD, mais fáceis de consumir, embora deixem menos espaço à nossa própria imaginação.

Um dia destes hei-de falar-lhe também de ficção científica

Advertisements

Leave a comment

No comments yet.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s