A Queda de Roma e o Fim da Civilização

“A Queda de Roma e o Fim da Civilização”.

É o título do livro de que lhe vou falar hoje.

Está aqui.

É este.

A capa é sugestiva.

O conteúdo é não só interessante como inovador ao abordar um tema largamente dissecado por diversos autores ao longo de séculos.

Devo advertir que se trata do resultado de mais de uma década de estudos de Bryan Ward-Perkins, que é o autor.

Perkins é um arqueólogo e por isso o livro pode parecer por vezes perder-se em minudências tipicamente académicas, mas não é verdade.

Aproveito para ler um excerto de um comentário de Vasco Pulido Valente no Jornal Público referindo-se às melhores obras do ano de 2005.

LEIO A CONTRA-CAPA. (poderá lê-la se tiver aceso ao livro). Relembro que estes textos são transcrições do meu programa de televisão na TDM.

Como diz Pulido Valente, com a queda de Roma a civilização regrediu mil anos e demorou outros tantos para se recuperar.

Mas o que mais impressiona neste livro é o paralelismo que não pode deixar de se fazer com os dias de hoje.

De facto, a civilização romana sofisticada e orgânica,  baseava-se no comércio internacional, na extracção de matérias-primas em lugares longínquos e na sua transformação em pontos estratégicos.

Na fabricação de produtos de qualidade a baixos preços, na construção e manutenção de uma impressionante rede de estradas através da Europa, do Médio Oriente e do Norte de África.

E também na manutenção de um exército profissional igualmente impressionante.

Recorde-se que só Napoleão, mil e quatrocentos anos depois, no século XIX teve capacidade para manter e dirigir um exército das proporções que Roma tinha.

Tudo isto sustentado num sistema monetário altamente sofisticado.

A certa altura da história, os povos germânicos, começam a emigrar em maça para onde se vivia bem, ou seja para o Império Romano e lentamente, ou nem tanto, uma civilização desaba.

Perkins concorda em certa medida com a teoria dos historiadores que dizem que as invasões bárbaras foram na generalidade pacíficas e resultado de alianças tácticas do Império Romano do Ocidente com os invasores, mas não deixa de mostrar que a guerra tomou a certa altura a primazia.

Nos dias de hoje, assiste-se a uma emigração, tanto legal como clandestina, oriunda dos países menos desenvolvidos para os mais desenvolvidos.

Veja-se o caso dos emigrantes mexicanos e centro e sul-americanos em geral para os Estados Unidos da América e a imigração dos magrebinos e africanos da África negra para os países da União Europeia.

Que nova realidade poderá surgir no mundo, nos próximos digamos 20, ou 30 anos.

Será o Fim da História como dizia Francis Fukoiama, referindo-se claro à questão do fim do comunismo e da guerra-fria?

Não sei, mas vale a pena ter este livro na sua biblioteca.

A Queda de Roma e o Fim da Civilização.

O autor é como disse Bryan Ward Perkins.

A edição é da Aletheia este livro que eu tenho aqui é a terceira edição.

Advirto apenas que a tradução poderia ser mais aperfeiçoada para a obra que é, mas mesmo assim vale a pena.

Advertisements

Leave a comment

No comments yet.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s