Império à Deriva,

Até hoje, e já lá vão muitas décadas, não perdi um certo orgulho nacional.

Foi o que me ensinaram na escola e depois no liceu.

Fui formado assim como toda a gente da minha geração. Os que nasceram em meados do século XX.

Mais tarde, quando vim para Macau esse nacionalismo que me foi inculcado pareceu-me pela primeira vez extravasar as aulas e os manuais e demonstrar-se verdadeiro.

Tinha então trinta anos e aqui em Macau conhecia pela primeira vez uma verdadeira competição, uma competição pragmática e real entre nações, que não tinha nada a ver com livros, nem com citações pedagógicas.

Alexandre Herculano, integralismos, saudosismos de Teixeira de Pascoais?

Nem mesmo com as epopeias pessoanas, ou as outras mais antigas dos cronistas: – João de Barros, Frei Bernardo de Brito. Sei lá! Ou então a republica de Junqueiro da liberdade igualdade e fraternidade

Aqui, neste Extremo Oriente, onde arribei, nem Eça era reconhecível, nem Fernão Mendes Pinto era credível.

Mas tudo isso existia então (provavelmente ainda existe aqui e agora tantos anos depois).

Nós portugueses em Macau e os ingleses do outro lado do rio das Pérolas em Hong Kong.

Dois povos aliados há quase oitocentos anos a competir na real, como nos diziam nos manuais de história.

Em Portugal ninguém pensa nisto e muito menos nestes termos.

Ser patriota em Portugal é demodee, pelo menos desde a restauração de 1640, ou do Mapa Cor-de-rosa e das “Conferências do Casino”.

No entanto, certo é que longe de Portugal se sente esta maneira de ser nacional com mais intensidade, independentemente das opções políticas e partidárias de cada um.

Vem isto a propósito deste livro

Chama-se – Império à Deriva, a Corte Portuguesa no Rio de Janeiro 1808-1821.

Trata-se de uma obra escrita por um inglês, Patrick Wilcken.

Uma visão estrangeira sobre um assunto nosso. Exclusivamente nosso.

Mas afinal e em minha opinião uma visão que ultrapassa os conceitos pequeninos do nacionalismo tal qual nos foi ensinado na velha escola anterior a 1974.

Sim ultrapassa em muito o que à gente da geração de cinquenta do século passado e a que pertenço, nos foi subliminarmente inculcado.

Isto apesar e como disse das opções políticas, ideológicas e partidárias por que cada um de nós optou.

Neste livro o autor narra um dos momentos mais singulares da história de Portugal.

O momento, em que um estado abandona a Pátria, para, segundo Patrick Wilcken salvar a Pátria.

Que estranho conceito?

Que teria acontecido a Portugal se o rei D. João VI tivesse optado por ficar em Portugal a enfrentar as imposições de Napoleão Bonaparte através do seu legado, o general Junot?

Não se sabe, mas provavelmente, para além de uma crise passageira, Portugal voltaria a ser Portugal, já que Napoleão perderia a guerra de unificação da Europa em Waterloo como veio a perder.

Mas a decisão de abandonar o continente português revelou-se extraordinariamente histórica, pragmática e correcta.

Fundou-se um outro império que foi o do Brasil, que provavelmente nunca existiria se não fosse esse episódio de fuga.

Todos sabemos o que aconteceu nessas primeiras décadas dos século XIX.

As invasões francesas, a independência do Brasil, a guerra civil portuguesa.

Mas reflectir sobre tudo isto através da escrita fluida deste autor inglês foi para mim uma experiência interessantíssima.

Sim, que coisa interessante é sentir que o nacionalismo redutor que me ensinaram se dilui, mas ao mesmo tempo se inflama e amplia, quando um autor inglês fala bem de Portugal?

E segundo o suplemento literário do Times, Patrick Wilcken ao escrever este livro terá tido em mente apenas contar uma boa história.

Pelo menos é o que diz na contracapa:

(Leia a contracapa)

Mais um livro que vale a pena ler.

Advertisements

Leave a comment

No comments yet.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s