Com permissão de Sua Majestade

Este livro é particularmente interessante e extremamente valioso para quem queira estar a par dos desenvolvimentos político-sociais de Portugal no século XX.

Chama-se: – “Com permissão de Sua Majestade” e tem como subtítulo A Família Real Inglesa e Maçonaria na Instauração da República em Portugal.

O autor é Jorge Morais.

Vou ler o resumo publicado sobre esta obra editada há três anos.

“A implantação da República em Portugal, em 5 de Outubro de 1910, não foi resultado exclusivo da revolta militar personificada na Rotunda pelo comandante Machado Santos e apoiada nas ruas pelas células carbonárias de Lisboa.

Uma conspiração internacional, envolvendo a Maçonaria inglesa e a Família Real britânica, deu aos revoltosos portugueses a garantia prévia (e escrita) de que a Inglaterra, a França e a Espanha não levantariam um dedo para salvar a Dinastia de Bragança.

E só depois de obtida esta garantia o estado-maior revolucionário avançou para pôr fim à Monarquia mais antiga do Continente Europeu.
Numa reconstituição historiográfica exaustiva, agora publicada em livro sob o título “Com permissão de Sua Majestade”, o jornalista e investigador Jorge Morais sustenta que, em 5 de Outubro, as tropas revoltosas se limitaram a seguir o “sinal verde” dado a partir de Londres pelo poderoso “lobby” liberal radical (em que pontificavam altos dignitários maçons, homens de negócios ingleses com interesses na África portuguesa e jornalistas de influência internacional) com conhecimento e permissão de dois membros da Família Real britânica: o próprio Rei Jorge V e seu tio, o Duque de Connaught.
Na sua obra, baseada em documentação de grande rigor historiográfico mas apresentada numa linguagem acessível ao leitor comum, o autor relata como, em Setembro de 1909, o Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano, Sebastião de Magalhães Lima, viajou secretamente para Londres a fim de obter garantias da congénere inglesa (cujo Grão-Mestre era então o Duque de Connaught, filho favorito da Rainha Victoria e irmão do Rei Eduardo VII) de que o golpe em Lisboa teria a aprovação do Governo de Sua Majestade, chefiado por Asquith e integrado por Winston Churchill, Lloyd George e Edward Grey – maçons de inegável peso na política mundial da época.

Valendo-se de uma teia de cumplicidades maçónicas, políticas, jornalísticas e financeiras, Magalhães Lima voltou a Londres em Julho de 1910 (já com o Rei Jorge V no Trono), agora acompanhado pelo abastado homem de negócios e dirigente republicano José Relvas, para ouvir da boca de um membro do Governo inglês a confirmação de uma “neutralidade compreensiva”.

A posição das autoridades de Londres, expressa por escrito num Memorandum secreto a que o autor teve acesso nos Arquivos Nacionais britânicos, permitiu aos revoltosos lançarem-se confiadamente numa revolução que, sem esse apoio, falhara de tentativa em tentativa nos 20 anos anteriores.

E, com efeito, três meses após o seu encontro reservado no Foreign Office, a República estava implantada em Portugal.

“Com permissão de Sua Majestade” traça o quadro político, nacional e internacional, em que decorre esta conspiração; comprova a ligação dos principais intervenientes à Maçonaria e ao “lobby” radical europeu; transcreve correspondência, até hoje mantida no silêncio dos arquivos, entre a Grande Loja Unida de Inglaterra e altos dirigentes do Grande Oriente Lusitano; reconstitui as viagens do Grão-Mestre português e a sua passagem pelas Lojas de Londres; evidencia o ambíguo papel do Rei Jorge V (primo do último Monarca português, D. Manuel II) em toda a trama; e revela por extenso o Memorandum do Ministério britânico dos Negócios Estrangeiros que permitiu aos revolucionários de Lisboa implantarem, por fim, a República em 5 de Outubro de 1910.

Um livro que mais do que interessante é perturbante.

Baseado em factos históricos e documentados, o rigoroso autor deste livro Jorge Morais, deixa campo livre aos cultores da teoria da conspiração.

Como é que tudo isso aconteceu?

E em nota de pé de página deixa uma frase intrigante citando um outro autor.

“Quando a Rainha Isabel Segunda visitou Portugal em finais da década de 50 do século passado acenou às multidões aglomeradas no Terreiro do Paço em Lisboa, deixava de facto a Portugal um farewell.

Como se com esse aceno dissesse: – adeus, a aliança foi interessante enquanto durou, mas agora tenho que ir à minha vida.

O regicídio e a proclamação da República portuguesa são casos que nunca se resolverão inteiramente.

Tal como o assassinato do presidente americano John Kennedy, que ainda hoje continua a suscitar bibliografia infindável.

COM PERMISSÃO DE SUA MAJESTADE, UM LIVRO DE JORGE MORAIS, EDITADO PELA VIA OCIDENTALIS EM 2005.

Vale, mas vale mesmo a pena ler. Principalmente no ano do centenário da República.

Advertisements

Leave a comment

No comments yet.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s