A China, Macau e os países de língua portuguesa. Moçambique

Num momento em que Macau se posta como pólo de ligação entre a China e os países lusófonos, parece-me importante salientar que esse posicionamento não é de agora nem resulta estritamente de uma posição política “tout court” determinada por conjunturas económicas circunstanciais.

De facto, há raízes históricas e sociais mais profundas que a determinam.

O excerto do texto que reproduzo a seguir, da autoria de Eduardo Medeiros, intitulado: Os sino-moçambicanos da Beira. Mestiçagens Várias, é só uma faceta, mas, quanto a mim, muito esclarecedora.

Eduardo Medeiro, é Professor Auxiliar, do Departamento de Sociologia e investigador no Núcleo de Estudos sobre África (NESA), do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS), da Universidade de Évora.

Actualmente centra as suas investigações em Identidades, etnias e etnicidades. A Comunidade Chinesa de Moçambique e suas diásporas, 1858-1975.
Etnias e etnicidades em Moçambique: da sua construção e do seu uso.
O islamismo negro em Moçambique: história da formação das comunidades islâmicas negra e questões identitárias.

A formação das comunidades sino-moçambicanas e o sentido dos números

 

Data de 18 de Fevereiro de 1858 a chegada à Ilha de Moçambique – na altura capital

das possessões portuguesas da África Oriental4-, o primeiro grupo de 30 chineses da

época moderna contratado pelo Governador-geral João Tavares d’Almeida5. Eram

homens de diversos ofícios, sendo 8 carpinteiros, 12 pedreiros, 4 ferreiros, 4 cobreiros,

e 2 picadores de pedra que o governo da Metrópole «desejoso de promover o

melhoramento e progresso desta importante possessão mandou engajar em Macau, para

introduzir [na Ilha] trabalhadores laboriosos, e sóbrios, que poderão com o seu exemplo,

e com o seu trabalho utilmente aproveitado servir de grande vantagem a esta

Província»6. Na verdade, desta iniciativa do governador nada resultou de concreto. Ela

inscreveu-se por mimetismo no dinâmico contexto do engajamento de «coolies» pela

Inglaterra e pela França para as Ilhas do Oceano Índico ocidental7. O governador

português pretenderia certamente conservar e melhorar a sua cidade, mas o que estava

na ordem do dia no seu tempo era, nos portos do norte de Moçambique, o tráfico

4 Foi em 1898 que o Governador-Geral de Moçambique, o capitão-de-fragata Álvaro António da Costa Ferreira, resolveu transferir

da Ilha de Moçambique para Lourenço Marques a sede do governo da Província, a título provisório, o que veio a tornar-se definitivo

três anos depois. Foi um Decreto com força de Lei, de 23 de Maio de 1907, que oficializou Lourenço Marques como capital,

Suplemento ao Boletim Oficial, n.º 26, 1/Julho/1907.

5 Antes desta época houve a vinda de alguns chineses, chinesas e mestiços chineses para Moçambique que deram origem a filhos

mestiços, como o famoso Nicolau Pascoal da Cruz, militar sino-tailandês ou luso-siamês, do Massangana (1767), na Zambézia, e

seus célebres descendentes António José da Cruz, Joaquim José da Cruz (o Nhaude = teia de aranha, terror), e António Vicente da

Cruz (o Bonga = gato bravo). Mas esses poucos chineses e mestiços chineses nunca deram origem a comunidades sinomoçambicanas.

6 Boletim Oficial do Governo-geral da Província de Moçambique, n.º 9, Sábado, 27 de Fevereiro de 1958, Parte Oficial – grafia

actualizada pelo autor, E.M.

7 Foi em 1829 que colonos britânicos importaram a título de experiência para as plantações de cana-de-açúcar da Ilha Maurícia

quarenta trabalhadores chineses. Seguiram-se outros para as plantações de cana-de-açúcar na África do Sul e demais territórios

coloniais sob domínio britânico e francês. A partir dos anos 60 do século XIX, milhares de «coolies» indianos foram recrutados para

as plantações de cana-de-açúcar na província do Natal, na África do Sul. No seguimento destes chegaram «coolies» e imigrantes

livres chineses. A imigração livre esteve relacionada com toda a problemática e política do sudeste asiático.

clandestino de escravos e a venda dos “libres engajados” (libres engagés) para essas

mesmas Ilhas do Índico8.

Sabemos pouco do destino que tiveram esses 30 homens. Se fizermos fé na memória

local, pelo menos alguns deles terão permanecido na Ilha e outros foram para as Terras

Firmes do Continente, em particular na Cabaceira Grande, “onde de dedicaram à

horticultura e mais tarde à colecta e exportação de holotúrias9 (macajojos, na

terminologia local). Os poucos que ficaram pela Ilha também se terão dedicado à

horticultura numa zona que ainda hoje se chama Rua das Hortas, e onde há uma casa de

tipo colonial que se diz ter sido um Templo Chinês”10. Filhos destes homens com

mulheres africanas da região, que os houve certamente, foram “absorvidos” pela

dinâmica linhageira matrilinear, não constando que tenham renovado o grupo asiático

originário dos seus pais.

Foi a partir de 1881 – já num contexto de implantação do capitalismo imperial – que a

procura de «coolies» chineses se tornou consistente na colónia. A construção das duas

principais cidades, Beira e Lourenço Marques, os respectivos portos e caminhos de

ferro, as açucareiras do Baixo Zambeze (Sena Sugar States) e do vale do rio Búzi

(Companhia do Búzi)11 e outros empreendimentos coloniais modernos careciam de

artesãos mais ou menos hábeis e a baixo preço que a mão-de-obra especializada

proveniente da Europa não satisfazia pelo seu elevado custo12. Por isso, a 20 de Agosto

deste ano, o governador-geral, visconde de Paço d’Arcos, enviou um ofício ao

governador de Macau, J. A.A Carlos Real, que foi recebido na secretaria daquele

governo a 17 de Novembro13, para solicitar contratados chineses para Moçambique. O

visconde argumentava que os negros de Moçambique não estavam aptos para o trabalho

e, por isso, pretendia recorrer aos chineses, pois conhecia a sua índole trabalhadora e

activa, e engenho para a indústria, agricultura e artes, e sabia também da contratação de

“coolies” por diferentes colónias14. O governador-geral explicitava que pretendia

“carpinteiros (de barco e de machado) ou marceneiros; alguns pedreiros, canteiros,

estucadores ou outros que possam ser utilizados nas obras públicas; carregadores para as

companhias braçais das alfândegas (homens habituados ao serviço de embalagem e de

armazenagem); homens para serviço de polícia, como os que havia em Macau, com

boas notas e habituados no manejo das armas. O pagamento seria feito em Moçambique

pela Direcção das Obras Públicas, de acordo com o merecimento de cada um e a

natureza do seu trabalho. De acordo com o que já se praticava com trabalhadores

indianos havia o pagamento de 800 réis diários (mínimo) e 1.500 réis (máximo).

Podiam vir com família”15. Veremos ao longo deste texto que Moçambique nunca

chegou a ser propriamente uma terra de contratados chineses em larga escala, mas na

leva dos «coolies» vieram imigrantes livres. Veremos também que apesar da permissão

8 Vide textos de Edward A. Alpers, Ivory & Slaves in East central Africa . Londres, Heinemann, 1975; Recollecting Africa:

Diasporic memory in the Indian Ocean world. Paper presented at the conference “African Diaspora Studies on the Eve of the 21st

Century. Department of African American Studies. University of California, Berkeley. April 30 – May 2, 1998; José Capela, (de

Col.) O tráfico de escravos de Moçambique para as Ilhas do Índico, 1720-1902, Maputo, 1982; O escravismo colonial em

Moçambique, Afrontamento, 1993; O tráfico de escravos nos portos de Moçambique, Afrontamento, 2002, e Eduardo Medeiros, As

etapas da escravatura no norte de Moçambique, Maputo, 1988.

9 Género de equinodermos de tegumento coriáceo e cilíndrico (Cândido de Oliveira)

10 Padre António Lopes: «Carta aberta aos Amigos da Ilha», jornal Notícias, 9 de Outubro de 1982.

11 Há referências bastantes sobre os pequenos núcleos de sino-asiáticos de Marromeu e de Nova Lusitânia, ambos fazendo parte da

comunidade beirense.

12 Eduardo Costa, O território de Manica e Sofala e a administração da Companhia de Moçambique, 1892-1900. Lisboa, Typ. da

Comp. Nacional Editora, 1902.

13 A.H.U., D.G.U. – Moçambique, 1ª Rep., Pasta 3, Cap. 2, 20.08.1881

14 Carlos Eugénio Correia da Silva, visconde de Paço d’Arcos, fora ministro plenipotenciário nas cortes da China, Japão e Sião, e

governador de Macau.

15 Idem A.H.U., D.G.U. – Moçambique, 1ª Rep., Pasta 3, Cap. 2, 20.08.1881

para a vinda dos familiares dos contratados, essa vinda não se concretizou de modo

consistentes durante os três primeiros decénios da imigração. Só a partir dos anos trinta

do século XX é que as mulheres chinesas, esposas ou simplesmente familiares,

começaram a demandar Moçambique em número significativo16.

O pedido do governador teve resposta satisfatória, pois, seis anos volvidos, em 1887,

chegaram à região de Lourenço Marques os primeiros operários vindos de Cantão para

a construção do Caminho-de-ferro de Lourenço Marques para a África do Sul,

empreendimento que se realizou entre 1887 e 188917, e para o território de Manica e

Sofala, mais a norte, sob administração da Companhia de Moçambique, também foram

contratados «coolies» chineses para a construção do Porto e do Caminho-de-ferro para

a Rodésia Beira-Umtali, 1892-189818. Tanto nestas como noutras tarefas “vieram a

demonstrar vastos conhecimentos e muita perfeição, o que tornava impossível a

concorrência de operários europeus”, lastimava Eduardo Costa19. Os que ficaram pela

povoação depois das obras nos portos e caminhos-de-ferro deram valiosa contribuição

para o crescimento dos dois burgos, ajudando na construção dos edifícios públicos e

das casas de particulares.

Todavia, ainda não foram encontrados documentos com referências precisas sobre os

primeiros contingentes de «coolies» que chegaram a Lourenço Marques e à Beira,

como foi para o caso de 1858 no que respeita à Ilha de Moçambique. As estatísticas

demográficas conhecidas do último quartel do século XIX até 1928 vão referindo

pequenos grupos de trabalhadores chineses contratados e imigrantes que se lhes foram

juntando; os registos dos períodos coloniais seguintes mostram como a população

chinesa foi crescendo até à data da Independência. Referem também o nascimento de

filhos desses imigrantes na Colónia. No final do século passado, em 1899, os números

oficiais apontam para 69 indivíduos do sexo masculino e 2 do sexo feminino nos

territórios da Companhia de Moçambique, 52 em Lourenço Marques e no Sul do Save,

e mais alguns no norte da Colónia. No início dos anos 70 do século XX residiam 1370

indivíduos chineses (702 H e 668 M) nos distritos de Manica e Sofala, dos quais 1019

(518 H e 501 M) tinham a nacionalidade portuguesa, 2744 no restante território. Num

estudo que fizemos sobre a evolução demográfica dos chineses em Moçambique20

mostrámos que estes números não eram fiáveis, e isto porque nunca registavam os

clandestinos a cargo das Tríades21, e, mais importante do que isto, porque não

registavam como a própria comunidade o fazia, muitos dos filhos varões mestiços que

desde o começo da imigração foram nascendo.

16 Em meados de 1898 foi registada a primeira mulher chinesa em Manica e Sofala entre 104 homens; em 1928, dos 475 chineses,

64 eram mulheres; em 1935, foram registados 391 homens e 80 mulheres; em 1940: 536 homens e 200 mulheres, em 1950: 479

homens e 281 mulheres, e em 1970: 702 homens e 668 mulheres sino -asiáticas.

17 Há também uma vaga referência a trabalhadores chineses na construção da linha de caminho de ferro que ligou Lourenço

Marques a Komatipoort publicada em A Colónia Portuguesa de Moçambique. Lourenço Marques: Imprensa Nacional, 1929, p.24,

todavia não foram ainda encontradas provas documentais.

18 A linha-férrea Beira-Umtali começou a ser construída em 1892 num ponto situado a 40 milhas da foz do rio Pungué, num local

que passou a ser chamado Fontesvilla, e onde os chineses da linha começaram a abrir as suas primeiras «machambas». O transporte

entre o porto e essa estação ferroviária era feito por lanchas de pequeno calado. Os troços Beira-Fontesvila e Chimoio-Umtali foram

feitos mais tarde quando a fama de ouro em Manica correu mundo. A linha de via larga de Umtali a Salisbury ficou concluída em

Maio de 1899.

19 Eduardo Costa, O território de Manica e Sofala e a administração da Companhia de Moçambique, 1892-1900. Lisboa, Typ. da

Comp. Nacional Editora, 1902.

20 Eduardo Medeiros, Evolução Demográfica das Comunidades Chinesas em Moçambique, 1858-1975. Não publicado.

21 Sobre a transformação das Confrarias políticas em Tríadas e sua caracterização na História do Século XX, ler Martin Booth, As

Tríades – As Irmandades Criminosas Chinesas (1990). Lisboa, tradução portuguesa de Silva Horta para as Publicações Europa –

América, 1992. João Guedes, As Seitas – Histórias do Crime e da Política em Macau. Livros do Oriente, 1991.

Mesmo assim, os dados estatísticos mostram que desde o último decénio do século XIX

até aos anos sessenta do século passado, a população imigrante chinesa foi-se instalando

em vários pontos da colónia e diversificando as suas actividades ocupacionais. Os

artesãos mais ou menos especializados da primeira vaga transformavam-se em

horticultores na periferia22 das cidades da Beira e de Lourenço Marques quando não

tinham trabalho nas obras ou quando chegaram familiares e não tinham emprego;

dedicaram-se alguns à pesca e à colecta de holotúrias no Inhassoro e Mambone, na

região centro-sul da colónia, entre o rio Búzi e o rio Save, e no norte, em Mocímboa,

Ibo e outras praias do litoral do oceano Índico. Anos volvidos transformaram-se quase

todos e suas famílias em «cantineiros» para o comércio com a população negra. Por fim,

a partir dos anos 30, surgiram comerciantes na cidade de cimento dos colonos, e mais

tarde, nos anos 50 e 60, alguns abriram fabriquetas de confecções e de outras indústrias,

e os jovens saídos das escolas portuguesas passaram a trabalhar nas instituições públicas

e privadas.

Advertisements

Leave a comment

No comments yet.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s